Coluna ADI 19/05/2021

O BRDE destinou nos últimos quatro anos, no Paraná, R$ 394 milhões a financiamentos para empresas com propostas na área de energia limpa. (Imagem: crédito/BRDE)

Energia Limpa
O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) destinou nos últimos quatro anos, no Paraná, R$ 394 milhões a financiamentos para empresas com propostas na área de energia limpa. Os maiores montantes foram pelo programa Fundo Clima, com R$ 60,82 milhões, e por meio da parceria com a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD), com mais R$ 96,40 milhões. “Seguindo as diretrizes do governador Ratinho Junior para fortalecer esse crescimento sustentável, um dos grandes apoiadores de energias limpas e renováveis”, afirma o  vice-presidente e diretor de Operações do BRDE, Wilson Bley.

AME
As cidades das regionais de Cornélio Procópio e Jacarezinho, no Norte Pioneiro, vão receber R$ 27 milhões para a construção dos centros regionais de especialidade. O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) confirmou que cada município-sede da região terá uma unidade. “São cerca de R$ 27 milhões que serão investidos na construção de dois imóveis que vão abrigar o AME (ambulatório médico de especialidades) de Cornélio Procópio e Jacarezinho. Juntas, as duas unidades vão formar um complexo médico no Norte Pioneiro, garantindo agilidade e eficiência no atendimento”, explica.

Medidas restritivas
Em razão do aumento do contágio da Covid-19 no Paraná, o Governo do Estado publicou novo decreto que amplia as medidas restritivas de enfrentamento da pandemia. Pelas novas regras, que vão vigorar até a meia-noite do dia 31 de maio, o toque de recolher e lei seca passam a vigorar das 22h até às 5h do dia seguinte. Todo tipo de comércio e de atividades não essenciais também deixam de funcionar aos domingos.

Irregularidades
Os deputados que integram a Comissão Especial criada na Assembleia Legislativa do Paraná para apurar possíveis irregularidades na ordem de vacinação contra a Covid-19 no estado aprovaram um requerimento de diligência para a cidade de Apucarana. Os deputados pediram à Prefeitura do município solicitando informações sobre a falsa enfermeira,  presa, a pedido do Ministério Público, e as doses que ela estava vendendo e que teriam sido desviadas.

Irregularidades II
Também foi aprovado pelos deputados um pedido de informação para que a Prefeitura de Curitiba, através da Secretaria de Saúde explique os motivos da vacinação em profissionais de uma empresa de planos de saúde. “Vamos aguardar essa resposta para depois analisarmos se será necessária ou não a convocação da secretária de Saúde para dar explicações à Comissão”, disse o presidente do grupo, deputado Delegado Francischini (PSL) .

Atleta guaçuense
 A atleta iguaçuense Érica Geni Barbosa conquistou o ouro na prova dos 400 metros, com o tempo de 54’38”, durante o 5° Torneio Atletismo Paulista, realizado em Praia Grande, na Baixada Santista, o que garantiu a ela vagas no Sul-americano,  Pan- americano e no Campeonato mundial sub 20. Érica é atleta do Instituto de Atletismo de Foz do Iguaçu desde os nove anos de idade, por meio do projeto Jovens Atletas Campeões do Futuro, mantido pela Prefeitura de Foz do Iguaçu em parceria com a Itaipu Binacional.

Realocação
A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) confirmou a possibilidade da realocação da sua unidade de Ponta Grossa para uma outra área no município de Palmeira para possibilitar que Ponta Grossa receba a Escola de Sargentos de Armas do Exército (ESA). Ponta Grossa disputa essa sede da ESA com outros três municípios brasileiros: Recife (Pernambuco) e Santa Maria (Rio Grande do Sul).

Vacina UFPR
Um grupo de trabalho do Tribunal de Contas do Estado do Paraná vai avaliar a possiblidade do órgão  apoiar financeiramente a Universidade Federal do Paraná (UFPR) no desenvolvimento de uma vacina contra a Covid-19 que utiliza tecnologia essencialmente paranaense. ”Pela seriedade do processo, a importância do momento e a economia que estamos fazendo na Casa, acredito que poderemos contribuir com essa iniciativa que beneficiaria toda a população paranaense”, declarou  conselheiro Fabio Camargo.

Vacina UFPR II
A vacina da UFPR utiliza uma bactéria – chamada Escherichia coli – já estudada há 20 anos pela área de Ciências Biológicas da universidade. Essa tecnologia permitiu a fixação de nitrogênio, substituindo fertilizantes químicos no cultivo de grãos. O imunizante que está sendo desenvolvido envolve a produção de partículas de um polímero biodegradável revestidas com partes da proteína spike, que é responsável pela entrada do coronavírus Sars-CoV-2 nas células. Segundo o reitor da UFPR, o custo por dose ficaria entre R$ 5,00 e R$ 10,00 – cerca de 10% do preço das demais vacinas atualmente utilizadas no Brasil, que se inicia em R$ 70,00 a dose.

Pós-Covid
O ambulatório de fisioterapia para sequelas pós-Covid abriu as portas na segunda-feira (17), em Londrina. O serviço funciona no prédio da Policlínica (região central) e atenderá pacientes encaminhados pelas UBSs (Unidades Básicas de Saúde), com sequelas graves e moderadas. O espaço tem capacidade para atender 20 pacientes por dia, que serão avaliados e acompanhados semanalmente por uma equipe de fisioterapeutas.

Sem custos
O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) afirma que a campanha publicitária lançada para mostrar a segurança, transparência e auditabilidade da urna eletrônica  foi elaborada pelos colaboradores da secretaria de comunicação e de multimídia, sem qualquer custo adicional –negando informação falsa que circula nas redes sociais de que foi produzida por uma empresa de publicidade, envolvida na Lava Jato, e que teria custado R$ 3 milhões.

A Interpretação
Em depoimento à Justiça Federal do Distrito Federal, o ex-juiz Sergio Moro afirmou que as mensagens hackeadas dos integrantes da Operação Lava Jato foram usadas “de maneira sensacionalista” para anular condenações de corrupção. Moro defendeu o trabalho da operação. “Tudo que foi feito na Lava Jato foi feito conforme a interpretação da lei”, afirmou o ex-juiz.

Voto auditável
 A comissão especial da Câmara dos Deputados que analisa sobre o voto impresso, aprovou o plano de trabalho do relator, deputado federal Filipe Barros (PSL-PR), e requerimentos de audiência pública. Barros propôs a realização de pelo menos seis debates para ouvir autoridades, como ministros e ex-ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Também serão convidados especialistas em segurança cibernética e criptografia, auditores do TSE e independentes, além de representantes de partidos políticos. “Queremos debater inúmeros temas dentro do tema principal, que é o voto auditável para chegar a um texto de consenso”, declarou.

Coluna publicada simultaneamente em 20 jornais e portais associados. Saiba mais em www.adipr.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *