Coluna Paraná Produtivo/ADI 05/11/2020

Itaipu investe
Um convênio entre Itaipu Binacional, Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) e Governo do Paraná vai garantir a realização de parte de um dos mais importantes projetos rodoviários do Estado. A parceria será responsável pela execução das obras no trecho paranaense da BR-487, mais conhecida como Estrada Boiadeira. Itaipu deverá aportar R$ 228 milhões para viabilização do empreendimento. Os recursos serão utilizados na implantação, reparação, restauração e pavimentação, além das obras de arte, em 47 quilômetros da rodovia. O trecho liga os municípios Icaraíma (Porto Camargo) e Umuarama (Serra dos Dourados), no Noroeste do Paraná, e deve estar pronto até início de 2022.

Paraná Banco recua
O Paraná Banco informou na última terça-feira que fez um pedido à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) de desistência de oferta pública primária de units, citando deterioração das condições de mercado. “Não obstante, a companhia informa ainda que dará continuidade ao processo de conversão do registro de emissor de valores mobiliários perante a CVM da Categoria ‘B’ para a Categoria ‘A’”, divulgou a instituição. Em fevereiro, quando o processo original do IPO estava em andamento, o banco buscava levantar R$ 1,5 bilhão com a operação. A instituição financeira, fundada em Curitiba em 1979, deixou a bolsa brasileira há quatro anos.

Encontro de cooperativistas
O Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses, promovido tradicionalmente pelo Sistema Ocepar para celebrar as conquistas no ano pelo setor, já tem data marcada: será dia 4 de dezembro, a partir das 8h30, com a participação de autoridades e lideranças cooperativistas. Também estão sendo preparadas atrações culturais e artísticas. Normalmente realizado em Curitiba, com a presença de caravanas vindas de todas as partes do Estado, desta vez o evento será em formato digital, devido à pandemia do covid-19.

Sondagem Industrial
A Sondagem Industrial, pesquisa tradicional da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), está na reta final de recebimento das respostas. Há 25 anos, ela é uma das principais ferramentas que auxilia a entidade a saber como foi o ano para os empresários do setor e as expectativas deles para o ano seguinte. Este ano, em função da pandemia, o estudo ganhou ainda mais relevância e deve apontar como foi o impacto no estado e como está sendo a recuperação nos 37 segmentos industriais. A pesquisa é feita por meio de um questionário encaminhado aos empresários e está disponível desde o dia 14 de outubro. Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail sondagemindustrial@sistemafiep.org.br.

Interbulk investe
A empresa de armazenamento Interbulk, sediada em Antonina, irá investir R$ 159,09 milhões em uma unidade misturadora de fertilizantes (planta que prepara as matérias-primas dos fertilizantes para a aplicação na agricultura) no Litoral paranaense, segundo informação divulgada pelo jornal Gazeta do Povo. O complexo será construído em Antonina, ao lado do Terminal Portuário da Ponta do Félix, e terá capacidade para produzir até um milhão de toneladas de fertilizantes por ano. A localização é a estratégica. Os portos paranaenses são a principal porta de entrada de fertilizantes do país – foram 6,8 milhões de toneladas entre janeiro e agosto. O produto é a principal importação dos paranaenses.

Turismo em recuperação
O faturamento do setor de turismo no Brasil voltou a crescer em setembro, para R$ 12,8 bilhões, registrando o quinto mês seguido de recuperação, segundo dados divulgados na última terça-feira, 3, pela Confederação Nacional do Comércio. Foi o melhor mês desde o início da pandemia – mas segue abaixo do patamar registrado antes dos tombos registrados entre março e abril, quando o faturamento atingiu o pior mês da história, de R$ 4,078 bilhões. Em fevereiro, havia ficado em R$ 17,806 bilhões. O dado de setembro também representa uma queda de 34,7% em relação ao mesmo mês de 2019, quando o faturamento foi de R$ 19,916 bilhões.

Venda de veículos
Os emplacamentos de carros, comerciais leves, caminhões e ônibus no Brasil subiram 3,5% em outubro ante setembro, para 215 mil unidades, sexta alta consecutiva e melhor desempenho no ano, informou na última quarta-feira, 4, a associação de concessionários Fenabrave. Na comparação com outubro do ano passado, porém, as vendas recuaram 15%, acumulando queda de 30,4% este ano. “O mercado vem, gradativamente, retomando bons patamares de venda. Ainda que com o mesmo número de dias úteis (21) de setembro, em outubro tivemos o maior volume de emplacamentos de 2020”, disse o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior, em comunicado.

Balança comercial
A queda nas importações acompanhada da estabilidade nas exportações fez a balança comercial registrar o segundo maior superávit para meses de outubro. No mês passado, o país exportou US$ 5,473 bilhões a mais do que importou, divulgou o Ministério da Economia. O resultado só perde para outubro de 2018, quando a balança comercial tinha registrado superávit de US$ 5,792 bilhões. No mês passado, o país vendeu US$ 17,855 bilhões para o exterior, com leve alta de 0,3% pelo critério da média diária em relação ao mesmo mês do ano passado. As importações caíram, somando US$ 12,383 bilhões – redução de 20% também pela média diária. Com o resultado do mês passado, a balança comercial acumula superávit de US$ 47,662 bilhões de janeiro a outubro. Esse é o segundo melhor resultado da série histórica para o período, perdendo para janeiro a outubro de 2017 (superávit de US$ 58,451 bilhões).

Alta nos investimentos
O país registrou um aumento de 2,2% nos investimentos no mês de agosto, comparado a julho. O indicador foi divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) na última terça-feira, 3. O destaque foi o setor da construção civil, que apresentou crescimento de 16,6% no trimestre móvel. “O indicador de investimentos em construção civil avançou 3,2% em agosto, na série dessazonalizada. O resultado sucedeu altas de 8,2% e 2,8% nos meses de julho e junho, respectivamente. Com isso, o segmento registrou um crescimento de 16,6% no trimestre móvel. Por sua vez, os outros ativos fixos fecharam o mês com queda de 1,2%”, ressaltou o Ipea em nota.

Carne paraguaia
O Paraguai apresentou na semana passada a documentação oficial para conseguir a qualificação do mercado canadense de carne bovina, segundo José Carlos Martín, presidente do Serviço Nacional de Qualidade e Saúde Animal (Senacsa). Anualmente o país norte-americano importa cerca de 70 mil toneladas de carne resfriada no valor de US$ 500 milhões e 55 mil toneladas de carne congelada por cerca de US$ 220 milhões. Embora EUA e México sejam os principais fornecedores com vendas isentas de impostos, o Canadá é um destino atraente para as carnes dos países sul-americanos, apesar de ter que pagar uma tarifa da ordem de 26%. Nos primeiros seis meses do ano, onde a pandemia afetou muitos mercados mundiais, o Canadá significou uma fatia de oxigênio para os países da região, com um aumento significativo nos volumes importados.

Peste suína africana
A Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) informou que 131 novos surtos de peste suína africana foram notificados no mundo entre os dias 16 e 29 de outubro, ante 236 casos verificados no levantamento anterior. O número total de surtos em andamento subiu de 7.522 para 7.642, sendo 4.010 somente na Romênia e 1.475 no Vietnã. Os dados constam de levantamento quinzenal divulgado pela OIE. Surtos novos ou em andamento foram registrados em 22 países. Na Europa, Alemanha, Hungria, Letônia, Moldávia, Polônia, Romênia, Rússia, Sérvia e Ucrânia ainda apresentam a incidência da doença. Na Ásia, China, Índia, Indonésia, Coreia do Norte, Coreia do Sul, Papua Nova Guiné, Filipinas, Rússia, Timor Leste e Vietnã têm casos em andamento. Já na África, Namíbia, Nigéria, África do Sul e Zâmbia reportam a presença do vírus.

Coluna publicada simultaneamente em 20 jornais e portais associados. Saiba mais em www.adipr.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *