Coluna Paraná Produtivo/ADI 19/11/2020

Produtividade dos portos
O fluxo de navios nos Portos do Paraná está intenso. A quantidade de embarcações atracadas e em operação beira a taxa de 100% de ocupação do cais e píeres nos dois portos – de Antonina e Paranaguá. Essa otimização do uso do espaço de acostagem reflete positivamente em toda a comunidade portuária e agentes envolvidos nas operações. “Mesmo com a pandemia, os portos do Paraná não pararam. Pelo contrário, estamos tendo que dar conta da demanda crescente, principalmente para manter a nossa missão de entregar alimentos e produtos essenciais para o mundo”, afirma o diretor-presidente da empresa Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia. Ele destaca que a semana começa com uma movimentação acumulada, neste ano, de 51,5 milhões de toneladas de carga e descarga. Até o último dia 15, foram 2.179 atracações – quase 6% a mais que no mesmo período de 2019, com quase 2.060 atracações.

Rodada de negócios
O Sistema Fiep, por meio do Centro Internacional de Negócios (CIN), em parceria com o Sebrae, realiza no próximo dia 26 de novembro, das 14h às 18h, uma rodada de negócios totalmente online com o Paraguai. Será uma oportunidade para as empresas paranaenses negociarem diretamente com vendedores paraguaios. Serão 33 empresas ofertando produtos e serviços em diversos segmentos. Além da efetivação de compras, será uma oportunidade para conhecer o ambiente de mercado e as políticas de incentivo do Paraguai. Além disso, os participantes poderão prospectar novos negócios e estudar possibilidades de futuras parcerias. As inscrições podem ser feitas pelo site da Fiep: fiepr.org.br.

Funcafé
O Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) atingiu volume de repasse nas linhas de crédito aos agentes financeiros superior a R$ 3,5 bilhões, representando 61% da programação inicial de R$ 5,7 bilhões da safra 2020/2021. Até a última terça-feira, 17, foram disponibilizados R$ 1,18 bilhão para custeio, R$ 535 milhões para aquisição, R$ 1,4 bilhão para comercialização e R$ 417 milhões para capital de giro para indústrias de solúvel, torrefação e cooperativas de produção. Ao todo, são 30 agentes financeiros que assinaram contrato com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). As informações partem da assessoria de comunicação do Mapa. Para a safra atual, os juros foram definidos em até 5,25 % para Custeio, Comercialização e Aquisição – FAC (quando o beneficiário for cooperativa de cafeicultor) e de 6,75% para Capital de Giro e para FAC (demais beneficiários).

Plantio da soja
Com a retomada das chuvas o plantio da soja avançou no Paraná e agora atinge 92% da área de 5,473 milhões de hectares, segundo levantamento semanal do Departamento de Economia Rural (Deral). Isso representa um leve atraso frente aos 96% de 2019, mas na comparação com a semana anterior, avançou bem, pois estava em 84%. A produção da safra de soja em 2020/2021 foi estimada em 20,499 milhões de toneladas, contra 20,752 milhões de toneladas da safra anterior, com uma queda de 1%. A produtividade média foi estimada em 3.688 quilos por hectare, abaixo dos 3.792 quilos registrados na última safra. Até o momento, o núcleo regional (veja mapa abaixo para entender) de Campo Mourão e Paranavaí foram os primeiros a concluir os plantios, segundo o Deral. Ambos já tinham terminado os trabalhos na mesma época do ano passado.

Uniprime e Mercedes-Benz
A Uniprime anunciou na última terça-feira, 17, a renovação do acordo com a Mercedes-Benz do Brasil, operação nacional da montadora alemã, com objetivo de oferecer condições especiais aos cooperados na compra de automóveis 0 Km. Além de 8% de desconto na aquisição do carro zero, a parceria ainda proporciona aos cooperados frete grátis, cortesia na película protetora de vidros e primeira revisão (Assist A) sem custo. É importante se atentar às regras do benefício: o desconto na compra de um automóvel novo é válido apenas para cooperados da Uniprime Norte do Paraná Pessoas Físicas e para todos os pontos de vendas autorizados Mercedes-Benz, em território nacional. Já os demais benefícios incluem apenas as concessionárias Divesa, presente em Londrina, Maringá, Curitiba e Cascavel.

Indústria otimista
Seis a cada dez indústrias esperam aumentar o faturamento em 2021, informa pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgada na última terça-feira, 17. Segundo a entidade, 62% das empresas pesquisadas informaram que a previsão para 2021 é de aumento no faturamento. O levantamento foi realizado pelo Instituto FSB Pesquisa a pedido da CNI e ouviu executivos de 509 empresas industriais entre 23 de outubro e 12 de novembro. A maioria das empresas também informou que os negócios já retomaram o mesmo nível de produção do período que antecedeu a pandemia. De acordo com os dados do levantamento, 45% das empresas declararam que a produção atual é maior que no período pré-pandemia.

Pedidos de falência
Os pedidos de falência avançaram 18,4% em outubro na comparação com setembro. Mantida a base de comparação, os pedidos de recuperação judicial e as recuperações judiciais deferidas aumentaram 52,3% e 45,3%, respectivamente. No mesmo sentido, as falências decretadas também cresceram 45,3% na variação mensal. Os dados são da Boa Vista Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC). De acordo com a empresa, os novos números representam o fim do ritmo de desaceleração que o indicador vinha apresentando na análise acumulada em 12 meses. Nesse período, os pedidos de recuperação judicial apresentaram alta de 17,2%, assim como as recuperações judiciais deferidas (14,9%). Já os pedidos de falência subiram 8,3%, enquanto as falências decretadas recuaram 2,9%, mantida a base de comparação.

Perdas no Turismo
O setor do turismo brasileiro deixou de faturar R$ 41,6 bilhões desde o início da pandemia de covid-19, considerando os meses de março a setembro. O montante representa uma queda de 44% no faturamento do setor em comparação ao mesmo período do ano passado. Os dados, divulgados na última terça-feira, 17, são da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). Em setembro, o faturamento das empresas do setor (R$ 8,6 bilhões) foi 37,6% menor do que o mesmo mês de 2019 – o que significa uma retração de R$ 5,2 bilhões no faturamento. Esse é o pior resultado do turismo para setembro desde o início da série histórica, em 2011. Segundo a entidade, a retração do turismo em setembro foi liderada pelo setor de transporte aéreo, que faturou 64,6% a menos do que no mesmo mês de 2019. O resultado, no entanto, é menos pior que os registrados em agosto (-68,8%) e julho (-78,1%).

Demanda por açúcar
O Brasil registra aumento sem precedentes da demanda doméstica por açúcar, e o forte consumo interno do maior produtor mundial da commodity agrava o cenário de déficit global. As usinas da região Centro-Sul, que responde por 90% da produção de açúcar do país, venderam quase 10% a mais da commodity ao mercado interno de abril a outubro em relação ao mesmo período do ano passado, segundo a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica). “A maior parte do volume adicional foi vendida para a indústria”, disse o diretor da Unica, Antonio de Padua Rodrigues. A Unica avalia se parte dos dados mais recentes inclui açúcar para o mercado externo, segundo Rodrigues.

China e a Argentina
A Argentina receberá três grandes unidades de suinocultura e processamento construídas por investidores chineses. O investimento inicial nas unidades é de cerca de US$ 130 milhões e as três ficarão localizadas em áreas estratégicas na Província do Chaco. O acordo bilateral foi assinado entre a Argentina e a empresa sino-argentina Feng Tian Food (FTF). As estruturas usarão produtores locais como parceiros estratégicos. Cada um dos complexos vai demandar 32,3 mil toneladas de soja e 87,4 mil toneladas de milho por ano para alimentar os suínos, abastecidos pela produção local. A empresa Feng Tian Food já possui parcerias comerciais entre os dois países. Cada complexo consistirá em cinco fazendas, um refrigerador de exportação, uma usina de biodiesel, um biodigestor com geração de energia e uma planta de alimentos balanceados.

Alemanha e a gripe aviária
A Alemanha detectou a presença de gripe aviária em mais uma granja e agora se programa para realizar o abate de até 70 mil aves, segundo autoridades locais na última terça-feira, 17. A gripe aviária do tipo H5N8 foi confirmada em uma fazenda perto de Rostock, no estado de Mecklenburg-Vorpommern, disse um porta-voz da autoridade governamental local. Cerca de 4.500 frangos na granja teriam que ser sacrificados, mas a criação se espalha por vários locais e o total pode chegar a 70.000. “Para combater o surto da doença e prevenir sua propagação, é necessário, do ponto de vista médico veterinário, abater até 70.000 aves em vários locais”, disse o porta-voz. Enquanto isso, o estado de Schleswig-Holstein, no norte da Alemanha, também relatou na terça-feira outro surto de H5N8 em uma fazenda na área de Kreis Nordfriesland, com cerca de 1.000 patos, gansos e galinhas abatidos.

Coluna publicada simultaneamente em 20 jornais e portais associados. Saiba mais em www.adipr.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *