CASO MARCELO ARRUDA: LAUDO COMPROVA QUE REGISTROS DA CÂMERA FORAM APAGADOS

O laudo produzido pelos peritos do Instituto de Criminalista do Estado do Paraná comprovam que foram apagados registros da câmera de segurança instalada no salão da Associação Esportiva Saúde Física Itaipu (Aresf), em Foz do Iguaçu, onde o guarda municipal e o tesoureiro do PT Marcelo Arruda foi assassinado, no dia 9 de julho, pelo agente penitenciário federal Jorge José da Rocha Guaranho.

O Blog Politicamente teve acesso ao laudo de 24 páginas assinado por cinco peritos criminais que fizeram a análise do DVR, que é o equipamento de gravação de vídeo que registrou a morte do petista. A perícia solicitada consistia na extração de imagens referentes ao período entre 23h00min do dia 09/07/2022 e 00h30min do dia 10/07/2022.

O laudo foi solicitado pela delegada chefe da DHPP (Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa), Camila Cecconello, que investigou o caso por designação da Secretaria da Segurança Pública do Paraná. Ao encaminhar o equipamento, a delegada fez quatro quesitos para os peritos.

Em um dos questionamentos, a delegada quer “que sejam identificados todos os LOGS e identificações de acesso às imagens do DVR efetuadas na data de 09/07/2022”. LOGS são os acessos ao equipamento.

Na resposta, os peritos afirmam que houve uma “limpa”. “Ao analisar as configurações do equipamento identificou-se que o serviço de acesso remoto P2P estava ativado e que às 08h57min02seg do dia 11/07/2022 ocorreu um evento de “Limpar” que apagou todos os registros de eventos do aparelho anteriores a esta data. Logo, pela análise dos logs presentes não foi possível afirmar se houve acesso às imagens na data de 09/07/2022”.

De acordo com o laudo, “Às 08h57min02seg há o evento “Limpar” realizado pelo usuário “admin” que indica a remoção dos registros de eventos do aparelho. Portanto, como houve a limpeza dos registros de eventos, não é possível determinar os acessos realizados ao aparelho na data de 09/07/2022” — dia em que Marcelo Arruda foi assassinado. “Verificou-se que o serviço P2P (peer-to-peer) estava ativado. Este serviço permite acessar remotamente o aparelho DVR”.

Fonte:Blog Politicamente