Comércio e indústria representam 55% dos empregos formais gerados no Paraná em 2021

O Paraná fechou 2021 como o Estado que mais gerou empregos formais na Região Sul do País. Foram 172.636 novas vagas entre janeiro e dezembro, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta segunda-feira (31). O número representa 6,3% do total de vagas criadas no País e foi impulsionado principalmente pelo setor de comércio e indústria, que, juntos, neste ano, foram responsáveis por 55,25% dos empregos gerados no Estado.

O comércio lidera o número de vagas geradas, concentrando 48.722 postos de trabalho no período, o equivalente a 28,22% do total. Na sequência, estão os setores da indústria, com saldo de 46.667 vagas (27,03% do total); serviços, com 40.865 vagas (23,67%); construção, com 10.653 vagas (6,17%); e agricultura e pecuária, com 3.303 vagas (1,91%).

A alta no número de vagas no comércio foi impulsionada principalmente pelas atividades de reparação de veículos automotores e motocicletas. O economista da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Thiago Quadros, explica que um dos fatores que contribuíram para o salto neste setor, principalmente em comparação com a indústria, foi a movimentação econômica, impulsionada pela vacinação em massa no Estado.

“No ano passado tivemos a vacinação e isso possibilitou que ocorresse uma maior flexibilização nas atividades econômicas. As que tinham maior restrição puderam voltar quase que normalmente. Essa nova normalidade possibilitou que os outros setores se recuperassem e tivessem desempenho superior ao da indústria”, disse.

Na indústria, tiveram destaque os segmentos industriais de transformação e extrativo; água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação; eletricidade e gás.

Segundo o economista, o bom desempenho da geração de empregos no setor vem desde 2020, mas em 2021 o resultado se consolidou ainda mais, com o dobro do número de vagas. Para ele, isso ocorreu em razão do perfil versátil da indústria paranaense.

“Temos setores diversos, desde o automotivo, madeireiro, móveis e vestuário. É uma economia que tem diversificação e isso acaba ajudando a passar por momentos de crise, porque quando alguns setores estão sofrendo um pouco mais, outros setores podem contribuir na geração de empregos”, ressaltou.

O especialista ainda destaca a influência do agronegócio no resultado, já que algumas atividades que lideram a produção industrial fazem parte dessa cadeia produtiva. “Nós vemos isso no setor de alimentos, máquinas e equipamentos. São algumas atividades que estão sendo produzidas para atender o agronegócio”, arrematou.

Foto: Gilson Abreu/AEN