Em uma semana, Paraná recebe R$ 5,3 bilhões em investimentos privados

O Paraná avança em ritmo forte para ser cada vez mais protagonista da economias nacional, e isso passa pela atração de empresas para geração de emprego e renda, transformando a vida de todos os paranaenses. Na última semana de junho de 2022, foram confirmados R$ 5,3 bilhões em investimentos privados de empresas dos setores automotivo, pet e de bebidas. O montante se soma aos mais de R$ 100 bilhões já anunciados por empresas do setor industrial ao Estado nos últimos três anos e meio.

Esses investimentos, conforme explica o governador Carlos Massa Ratinho Junior, têm refletido na geração de oportunidades de trabalho no Paraná. “É a consolidação dessa geração de emprego que está tendo no Estado. Nós fechamos o ano passado com a maior geração de emprego na história, e fechamos, até maio, segundo os dados do Caged, com 75 mil empregos gerados no Paraná somente neste ano”, afirma o governador. “Um dos focos do nosso governo é trabalhar para atrair cada vez mais empresas para o nosso Estado”.

Em 2021, durante o auge da pandemia, o Paraná gerou 172 mil empregos com carteira assinada. E em 2022, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado na terça-feira (28) pelo Ministério do Trabalho e Previdência, quase 76 mil vagas foram criadas, sendo o melhor desempenho entre os estados do Sul do País e o quarto do País.

Na terça-feira (28), Ratinho Junior celebrou a consolidação do convênio firmado entre a Prefeitura de Carambeí, nos Campos Gerais, e a Ambev, multinacional do ramo de bebidas, para a construção na cidade de sua primeira unidade de garrafas sustentáveis no Estado e que deve ser a maior fábrica de vidros do segmento no País.

O investimento é de R$ 870 milhões e deverá gerar 1,5 mil empregos diretos durante a obra e cerca de 400 quando estiver em operação, prevista para 2025. As tratativas para instalação da Ambev em Carambeí começaram na missão organizada pelo Governo do Estado à Dubai, em outubro de 2021.

No setor automotivo, três grandes anúncios foram realizados na semana. A Audi do Brasil anunciou na quarta-feira (29) a retomada da produção de veículos na fábrica instalada em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC). A produção, que foi interrompida no fim de 2020, devido ao avanço da pandemia da Covid-19, vai contar com a montagem de dois novos veículos: Audi Q3 e Audi Q3 Sportback.

O investimento da empresa, que está no Brasil desde 1999, é de R$ 100 milhões. Se somados os recursos já aplicados pela empresa desde 2012, quando o Governo Federal criou um programa para incentivar a produção automotiva, já foram R$ 446 milhões investidos pela marca na última década.

O Grupo Volvo América Latina anunciou um investimento de R$ 881 milhões na sua planta na Cidade Industrial de Curitiba, na Capital. O objetivo da marca é a modernização, com foco em pesquisa e desenvolvimento de novos produtos e serviços, de olho em automação e indústria 4.0. Esses recursos fazem parte de um ciclo de investimentos, que deve alcançar R$ 1,5 bilhão no Brasil no período de até 2025.

O maior volume de investimentos confirmados nesta semana também é do setor automotivo. A Renault do Brasil vai aplicar R$ 2 bilhões em sua fábrica em São José dos Pinhais, na RMC, visando a instalação de uma nova plataforma, a CMF-B, e a produção de um SUV e de um motor 1.0 turbo, anunciados em março. Os recursos somam-se a outros R$ 1,1 bilhão realizados a partir de março de 2021, na fábrica paranaense.

No setor pet, um dos setores que mais cresceu no Brasil em 2021, com alta de 27% no faturamento em 2021 ante 2020, segundo levantamento do Instituto Pet Brasil, a PremieR inaugurou nesta quinta-feira (30) a maior fábrica de pet food da América Latina, em Porto Amazonas, nos Campos Gerais. A empresa é líder no segmento de alimentos de alta qualidade para cães e gatos e investiu R$ 1,1 bilhão, além de gerar 350 empregos diretos e 700 indiretos.

Outro setor com investimento novo é o de energia. A Aker Solutions do Brasil, de São José dos Pinhais, anunciou investimento de R$ 350 milhões. A empresa trabalha em um projeto de alta tecnologia para captura de carbono.

“O cenário atual do Paraná, de paz política, ajuda nesta atração de investimentos. E esses investimentos se transformam diretamente em empregos, distribuição de renda e no desenvolvimento do nosso Estado. Como o governador sempre diz: emprego é a melhor ferramenta social que existe”, afirmou o diretor-presidente da Invest Paraná, Eduardo Bekin. A agência atua como ponte entre governo e iniciativa privada, auxiliando no levantamento de dados, fornecimento de informações e tomada de decisões estratégicas.

Os R$ 120 bilhões destinados por empresas do setor industrial no Paraná desde o início de 2019 são três vezes superior ao que foi estipulado inicialmente para o período, de R$ 40 bilhões.

Foto: Albari Rosa/AEN