Governo Federal assina contrato com a nova concessionária do Parque Nacional do Iguaçu

O Governo Federal assinou, nesta segunda-feira (18), o contrato com a Novo PNI, nova concessionária do Parque Nacional do Iguaçu. O consórcio, formado pelos grupos Construcap e Cataratas SA, venceu a licitação em meados de março e fará a gestão da unidade de conservação pelos próximos 30 anos. 

O contrato da nova concessão do Parque Nacional foi assinado pelo consórcio com os ministérios de Meio Ambiente (MMA) e da Economia. O leilão, cujo modelo será utilizado em outras unidades de conservação do país, teve ágio de quase 350% sobre a proposta inicial, passou de R$ 80 milhões (proposta inicial) para R$ 375 milhões. 

A gestão, conforme o edital, prevê a criação de três novos polos: Rio Azul, Silva Jardim e Ilhas do Iguaçu e G. Dias, que devem beneficiar os 13 municípios lindeiros a unidade de conservação. O preço de ingresso será de até R$ 80 no primeiro ano de concessão, chegando ao valor máximo de até R$ 120 a partir do quinto ano. 

A nova concessão da unidade de conservação com quase 200 mil hectares de área de Mata Atlântica abrangendo as regiões Oeste e Sudoeste do Paraná e fronteira do Brasil com a Argentina, terá um prazo de 30 anos. A expectativa do trade turístico, para o período, é dobrar o número anual de visitantes em Foz do Iguaçu, que passou de dois milhões em 2019, antes da pandemia.

A receita da concessionária virá essencialmente dos ingressos cobrados para a entrada. Pelo edital, moradores dos municípios no entorno terão desconto no ingresso. Será possível também estabelecer pacotes especiais para visitas de mais de um dia, para incentivar a permanência do turista. 

Unidade de conservação
Criado em 1939, o Parque Nacional do Iguaçu está situado na cidade de Foz do Iguaçu e tem área de quase 200 mil hectares. É a maior reserva remanescente de Mata Atlântica da região e tem o título de Patrimônio Natural da Humanidade. 


Vermelho diz que nova concessão injetará mais de R$ 4 bi na economia regional
O deputado federal Vermelho disse que o novo modelo de concessão adotado pelo governo federal no Parque Nacional do Iguaçu possibilitará o fomento da economia, a geração de empregos e novos investimentos em educação ambiental. 
“Além do aporte inicial de R$ 375 milhões da outorga fixa, o grupo vencedor se compromete a investir mais de R$ 500 milhões em novas infraestruturas nos primeiros anos e outros R$ 3,5 bilhões na operação do parque durante o período da concessão”, disse o deputado. A concessão é a maior do setor de parques já realizada no país. 
O novo contrato de concessão também prevê o recolhimento mensal aos cofres públicos do Tesouro Nacional o equivalente a 7% da receita operacional bruta do concessionário. Parte dessa receita o deputado defende seja destinada a Foz e cidades lindeiras.
“A nova concessão tem o potencial de duplicar o número de visitantes do parque, com expansão da área concessionada e a realização de investimentos capazes de aumentar a atratividade da visitação”, acrescenta o deputado.
Vermelho informou ainda que a nova modalidade do edital elaborado pelo ICMBIo e BNDES levou em consideração as inovações tecnológicas e os elementos de sustentabilidade na previsão de seus investimentos com o objetivo de promover a preservação ambiental, incentivar o ecoturismo e o desenvolvimento sustável das cidades da região.
O parlamentar explica que o governo, sozinho, não consegue investir em todos os setores e, por isso, conta com a parceria da iniciativa privada para levar qualidade de vida, emprego e renda para a população. “O governo não teria condições de investir esses R$ 4 bilhões. Com a parceria da iniciativa privada isso se tornou possível”. 


Fonte :Gdia
Foto: Equipe Cataratas S/A