Mais uma baleia aparece morta no Litoral do Paraná

A equipe do LEC (Laboratório de Ecologia e Conservação da UFPR) atendeu um encalhe de baleia na praia do balneário Marissol, em Pontal do Paraná, no final da tarde de quinta-feira (19). Foi a 9ª da espécie jubarte a aparecer morta nas praias do Paraná neste inverno.

Antes, os pesquisadores do LEC, que atuam no Projeto Projeto de Monitoramento de Praias receberam diversos acionamentos de que a baleia estaria boiando próximo à costa, mas precisaram aguardar o encalhe.

Dois dias antes, na terça (17), Gustavo Tauchen, proprietário da Marina Tauchen, no bairro do Mirim, em Guaratuba, avistou uma baleia morta próximo às ilhas Itacolomi, que fica a cerca de 7 milhas da barra da Baía de Guaratuba. Ele praticava mergulho e viu a carcaça boiando entre as ilhas e a costa de Matinhos. Assista as imagens de dois vídeos curtos que ele enviou a pedido do Correio do Litoral.

Depois de conferir o encalhe na quinta-feira, no amanhecer do dia seguinte, uma equipe especializada do LEc-UFPR realizou necropsia no animal.

A Nova baleia jubarte (Megaptera novaeangliae) encalha sem vida no litoral do Paraná. Desta vez foi no Balnerário Marissol, em Pontal do Paraná, no final da tarde desta quinta-feira (19).

A ação contou com o apoio da Prefeitura de Pontal do Paraná, que forneceu uma retroescavadeira para retirar a carcaça da baleia da linha de maré assim que encalhou e depois para enterrá-la, após o procedimento de necropsia. O procedimento segue em conformidade com o Protocolo de Atendimento a Encalhes de Animais Marinhos no Litoral do Paraná – PRAE (Sedest/IAT/Ibama).

Segundo o médico veterinário, Fábio Lima, o animal era um macho juvenil, medindo quase oito metros. “Conseguimos observar que a baleia estava magra e apresentava marcas de interação com redes de pesca. Porém, a causa de sua morte e de sua condição de saúde só poderão ser identificadas após análises do material biológico coletado”, afirma.

Considerando os três últimos meses, esta é a nona baleia jubarte encalhada sem vida aqui no estado, com registros em Paranaguá (Ilha do Mel), Guaraqueçaba (Ilha do Superagui), Guaratuba e Pontal do Paraná.

Causas das mortes
Para a coordenadora do LEC-UFPR, a bióloga Camila Domit, as causas das mortes das baleias seguem sendo investigadas por diversos pesquisadores no Brasil e junto a parceiros internacionais. Estão sendo consideradas diversas hipóteses, inclusive sobre o potencial efeito das mudanças climáticas globais na produtividade do continente Antártico e nas correntes que influenciam na migração das baleias. “O aquecimento global tem sido apontado como uma das causas responsável pela redução na disponibilidade de krills (principal alimento destas baleias) na Antártica”, explica. “Devido a esta alteração, as baleias possivelmente precisam buscar alimento durante a migração para as áreas mais quentes e estão migrando com menos energia acumulada”, diz a pesquisadora.

A principal área brasileira de reprodução da baleia é o litoral da Bahia e, neste ano, as jubartes têm sido avistadas com maior frequência na região sudeste e sul do Brasil. Outras causas de aumento da ocorrência da espécie na zona costeira do sudeste e sul do Brasil vêm sendo avaliadas. Na quarta-feira (18), uma baleia foi avistada perto da barra (entrada) da baía de Guaratuba.

Correio do litoral