Maringá enfrenta pior evento climático de sua história

O temporal que atingiu Maringá na madrugada de sábado (23) já é considerado um dos piores eventos climáticos na região Noroeste, com rajadas de vento que chegaram a 91,8 km/h, de acordo com o Simepar. E é o mais severo da história da Copel (Companhia Paranaense de Energia) no município, onde até a noite de domingo (24) já foram contabilizados 72 postes quebrados.

Mais de 500 servidores e voluntários seguiram trabalhando durante todo o domingo em mutirão com da prefeitura. Com isso, mais de 200 árvores foram retiradas de ruas e casas. Além disso, várias vias foram liberadas para o fluxo de trânsito, de forma parcial ou total, sendo 17 avenidas.

Nesta segunda-feira (25), começou às 7h um mutirão para dar continuidade ao trabalho de limpeza. Empresas e empreiteiras que tenham caminhões podem contribuir na força-tarefa.

As equipes vão atender com prioridade vias com grande fluxo de veículos e árvores que caíram sobre casas e muros. Em seguida, as ruas dos bairros.

As equipes da Copel também seguem em campo com reforços,a fim de restabelecer o fornecimento de energia aos consumidores que tiveram o serviço interrompido após o temporal do fim de semana. No auge das chuvas, 473 mil domicílios chegaram a ficar sem energia, em diversas regiões do Paraná. No domingo, o dia iniciou com 64 mil imóveis sem luz em todo o Estado, número que está em 33 mil, de acordo com a última atualização feita às 18h30 de domingo.

O Bonde