Michele Caputo elenca “prioridades dentro das prioridades” na vacinação contra covid

Após a vacinação de maior parte dos profissionais de saúde e dos idosos (acima de 60 anos), o deputado Michele Caputo (PSDB), aponta que no cenário de “lentidão” da campanha de imunização atualmente é preciso definir as “prioridades dentro das prioridades” na aplicação da vacina contra a covid-19, registrou nesta terça-feira, 20, a jornalista Catarina Scortecci na Gazeta do Povo.

Coordenador da Frente Parlamentar sobre o Coronavírus, Michele Caputo considerou na última reunião da frente nesta segunda-feira, 19, legítima a “pressão de uma série de categorias e de setores pela vacina”, mas lembrou que não há doses disponíveis suficientes nem mesmo para todos os idosos. Além disso, reforçou o deputado, as pessoas com comorbidades também precisam ser vacinadas logo.

“Nós gostaríamos que todos os brasileiros fossem vacinados, e serão vacinados, mas temos prioridades dentro das prioridades, que sempre são os mais vulneráveis, aonde a mortalidade é maior, onde o custo e as sequelas são mais contundentes”, disse Michele Caputo na fala registrada ´pela repórter.. 

“Então, ao mesmo tempo que a gente reconhece a legitimidade das instituições de brigar, no bom sentido, pela vacina, nós ainda não terminamos a segunda dose dos idosos e ainda há segmentos de profissionais da saúde que precisam ser vacinados. E a gente também precisa trabalhar com muita seriedade e muito critério a questão das comorbidades, neoplasias, diabetes graves, hipertensos, cardiopatas. Precisamos avançar para terminar as prioridades dentro das prioridades”, completou.

Dos quase 30 grupos populacionais considerados prioritários na fila da vacinação, as pessoas que apresentam algum tipo de comorbidade representam uma parcela expressiva. O número estimado no grupo, entre 18 e 59 anos de idade, é superior a 1 milhão.

Leia a seguir a íntegra da matéria

Temos que concluir as “prioridades dentro das prioridades”, diz deputado ao citar pressões

Por Catarina Scortecci

Coordenador da Frente Parlamentar do Coronavírus da Assembleia Legislativa do Paraná, o deputado estadual Michele Caputo (PSDB) enfatizou que, neste cenário de “lentidão” no processo de vacinação contra a Covid-19, é preciso garantir a imunização das “prioridades dentro das prioridades”.

O parlamentar afirma que há uma “pressão de uma série de categorias e de setores pela vacina”, mas lembra que as doses disponíveis ainda não são suficientes nem mesmo para todos os idosos. Além disso, reforçou o deputado, as pessoas com comorbidades também precisam ser vacinadas logo. A fala ocorreu na abertura da reunião remota da frente parlamentar, realizada na manhã desta segunda-feira (19).

“Nós gostaríamos que todos os brasileiros fossem vacinados, e serão vacinados, mas temos prioridades dentro das prioridades, que sempre são os mais vulneráveis, aonde a mortalidade é maior, onde o custo e as sequelas são mais contundentes. Então, ao mesmo tempo que a gente reconhece a legitimidade das instituições de brigar, no bom sentido, pela vacina, nós ainda não terminamos a segunda dose dos idosos e ainda há segmentos de profissionais da saúde que precisam ser vacinados. E a gente também precisa trabalhar com muita seriedade e muito critério a questão das comorbidades, neoplasias, diabetes graves, hipertensos, cardiopatas. Precisamos avançar para terminar as prioridades dentro das prioridades”, reforçou ele.

Dos quase 30 grupos populacionais considerados prioritários na fila da vacinação contra a Covid-19 no Paraná, as pessoas que apresentam algum tipo de comorbidade representam uma parcela expressiva. O número estimado de moradores do estado pertencentes ao grupo, e que possuem entre 18 e 59 anos de idade, é superior a 1 milhão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *