Museu internacional de arte será instalado em Foz do Iguaçu

O Brasil será o primeiro país da América Latina a estabelecer um convênio com o Centro Nacional de Arte de Cultura George Pompidou, de Paris (França), para a construção de um museu internacional. Um dos grandes desejos do governador Carlos Massa Ratinho Junior para a Cultura irá se concretizar em Foz do Iguaçu, região Oeste, onde, na tarde desta segunda-feira (27), foram assinados os protocolos de intenção com representantes da Renault do Brasil, Itaipu Binacional e prefeitura de Foz do Iguaçu.

Para o governador, um museu internacional é sempre uma iniciativa de vanguarda. Ele irá fomentar ainda mais o turismo na região, acrescentando o foco cultural em uma visita intensamente procurada por brasileiros e estrangeiros. “Estamos há dois anos e meio negociando e conseguimos. Hoje assinamos esse acordo. Será uma transformação. Será uma grande versão do Pompidou na América Latina. A cultura será um indutor do turismo porque as visitações de museus movimentam bilhões de dólares no mundo. É a cereja do bolo para Foz do Iguaçu”, comemorou o governador.

Uma equipe técnica do Centro Pompidou participará de rodadas de discussões com uma equipe paranaense sobre as necessidades e a conceitualização do espaço. Esta fase está prevista para durar dez meses. “Além do projeto do museu, é muito importante esse intercâmbio. Temos alguns artistas brasileiros expostos na França. E esse intercâmbio vai ser muito importante no futuro. O Pompidou gosta muito do Brasil e a resposta de Foz do Iguaçu sempre foi muito positiva”, afirma Marc Pottier, coordenador internacional do projeto.

Após a execução da primeira fase de planejamento, será lançado em 2023 um concurso de arquitetura para escolher o projeto do museu internacional. A ideia inicial é um centro cultural de 10 mil metros quadrados capaz de abrigar as mais variadas manifestações e incentivar a produção cultural da região. A prefeitura de Foz do Iguaçu está colaborando com a escolha do terreno.

Segundo a superintendente-geral de Cultura, Luciana Casagrande Pereira, o Estado estudou muito a região de Nantes, na França, para dimensionar o impacto de um museu em uma cidade média. E lá já são 2 milhões de visitantes/ano com os investimentos em cultura. Bilbao, na Espanha, com 360 mil habitantes, também recebe 1 milhão de turistas/ano após esse olhar para as artes.

“É emocionante fazer parte desse dia histórico. Trazer um museu internacional para Foz do Iguaçu tem um significado imenso. O Pompidou tem um dos melhores acervos de arte moderna e contemporânea do mundo. É um complexo efervescente. Não é apenas um museu de arte, mas um espaço que trabalha todas as formas de arte, a música, a dança, a pintura, além da questão educativa”, afirmou.

A implantação de um equipamento cultural na região também agrega à política de descentralização da Cultura promovida pela gestão. “Hoje, todos os nossos equipamentos estão na Capital. E agora teremos um braço no Interior”, complementou a superintendente.

“Hoje é um dia para comemorar, vislumbramos grandes horizontes. Turismo e cultura formam um casamento perfeito. Demoramos para receber esse presente da altura da grandeza de Foz do Iguaçu. E isso só foi feito com a união do Governo do Paraná, do governador Ratinho Junior, da Secretaria de Comunicação Social e da Cultura, da Renault, da prefeitura e da Itaipu Binacional”, disse o prefeito de Foz do Iguaçu, Chico Brasileiro. “A cidade vai se equiparar aos grandes centros globais da cultura. A visitação vai aumentar muito na nossa cidade”.

O diretor-geral brasileiro de Itaipu Binacional, Anatalicio Risden Junior, destacou a importância do projeto para a preservação da arte e da cultura. “A orientação que tenho é dar apoio ao Paraná e Foz do Iguaçu, melhorar a cidade e o Estado no turismo e suas diversas ações. Temos que trazer para Foz do Iguaçu uma permanência. E isso passa pela infraestrutura e a qualidade do turismo. É uma alegria poder participar da instalação deste museu internacional no Brasil”, afirmou.

POMPIDOU – Mais do que um museu de arte, o Centro Pompidou de Paris é um complexo cultural efervescente que abriga biblioteca, ateliê de escultura, cinema, dança e centro de música e estudos acústicos. Ele foi inaugurado em 1977 e é um dos locais de encontro mais procurados por parisienses e visitantes. Além da sede francesa, o Pompidou possui “antenas”, como são chamadas suas unidades, na Bélgica, Espanha e China.

Foto: Gilson Abreu/AEN