Previsão do governo federal é começar vacinação em fevereiro

Sem definir data exata para iniciar a imunização contra o novo coronavírus, o governo federal estima que, se cumpridas as previsões de envio de documentações por parte dos desenvolvedores das vacinas para obtenção de registro, as primeiras doses começarão a ser aplicadas em fevereiro.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, já havia dado previsão, também, para janeiro e para março. Ontem, na apresentação do novo Plano Nacional de Operacionalização contra a Covid-19, a CoronaVac — imunizante produzido pela empresa chinesa Sinovac e pelo Instituto Butantan, em São Paulo — foi incluída na lista da “adesão do Brasil às vacinas”. Na primeira versão do plano, o produto foi ignorado, em meio à briga política entre o presidente Jair Bolsonaro e o governador do estado, João Doria.

“Nunca deixamos de ter um memorando de entendimento com o Butantan. Ele foi assinado e mantido vivo desde então, desde outubro. O que nós aguardamos é o registro da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária”, justificou Pazuello, na cerimônia, no Planalto, que teve a participação do presidente Jair Bolsonaro (leia matéria na página ao lado).

De acordo com o secretário de Vigilância em Saúde, Arnaldo Medeiros, o governo assinou um memorando de entendimento com algumas produtoras de vacinas, como o Butantan. A lista de imunizantes que o governo tem algum tipo de acordo ou um memorando de entendimento inclui, também, o mecanismo Covax Facility e os da Oxford/Astrazeneca, Pfizer, Bharat Biotech, Moderna e Janssen. “Para todos eles, a depender do seu cronograma de entrega, da eficácia e da segurança, este país vai comprar vacinas para garantir a imunidade da população”, disse.

(crédito: Isac Nóbrega)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *