Verba para tratar sequelas reconhece a gravidade da Covid, diz Romanelli

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) afirmou nesta quarta-feira, 16, que o governo federal está mudando em relação à covid, o que mostra  a liberação de recursos do Ministério da Saúde para tratar sequelas da doença. “É mais um reconhecimento público da gravidade da doença. Finalmente o negacionismo do governo federal parece estar diminuindo”, avalia.

Romanelli disse que muitas decisões equivocadas, contrariando a ciência, permitiram o agravamento da pandemia no Brasil, com o aumento acelerado das infecções e perdas de vidas. “Primeiro negaram as vacinas e depois ainda insistiram no tal tratamento precoce”, lembra. “Hoje, o País paga pelos erros e terá que investir no tratamento das sequelas que atingem grande parte dos infectados”.

O tratamento de sintomas pós-coronavírus, segundo Romanellli, será outra batalha dentro do serviço público de saúde e considerou que era necessário que o Ministério da Saúde apoiasse as redes municipais de atenção primária. A pasta promete liberar R$ 423 milhões para atendimento de pessoas que convivem com sequelas.

Para enfrentar a situação, o ministério publicou duas portarias liberando verbas do orçamento. Uma delas autoriza repasse de R$ 160 milhões para que municípios e o Distrito Federal contratem novos profissionais, abram espaços de tratamento e comprem materiais. A segunda transfere R$ 263 milhões para 2,1 mil centros de atendimento para o enfrentamento à covid-19 e 82 centros comunitários.

A divisão da verba levará em consideração a estrutura de saúde existente e as taxas de infecção de cada cidade. Dados da pasta indicam que de 30% a 75% dos pacientes que tiveram covid-19 apresentam sequelas após enfrentar a doença, entre elas cansaço, falta de ar, tosse, dor torácica, perda de olfato e paladar, dor de cabeça, tontura, alterações de memória, ansiedade e depressão.