Vestibular 2022 da UEL é o primeiro com cotas para pessoas com deficiência

A Coordenadoria de Processos Seletivos (COPS) da Universidade Estadual de Londrina (UEL) registrou 86 inscrições de candidatos na cota para pessoas com deficiência para o Vestibular 2022, que será realizado em fase única, dia 6 de março, a partir das 14 horas.

A UEL aprovou as cotas para deficientes em 19 de agosto de 2021, a partir da Resolução CEPE nº 044, que reserva 5% das vagas nos processos seletivos da graduação para pessoas com algum tipo de deficiência (física, auditiva, visual, visão monocular, mental, transtorno do espectro autista e múltipla). Este é o primeiro Vestibular que contará com as cotas.

Segundo a coordenadora da COPS, Sandra Garcia, o número de inscritos, embora aquém dos 5% resguardados na resolução, está dentro do esperado, principalmente por se tratar de uma política recente. “Ainda será necessário divulgar e mostrar a essa população que ela tem o direito, já garantido pela Universidade, a partir de legislação estadual”, confirmou. A Lei Estadual 20443/2020 garante que todas as Instituições Estaduais de Ensino Superior (IEES) e escolas técnicas reservem 5% de vagas a pessoas com deficiência, independente do percurso de formação.

CURSOS – O curso de Medicina registrou 41 inscrições para quatro vagas para pessoas com deficiência. Já os cursos de Direito (matutino), Ciência da Computação (Integral) e Administração (Noturno) contabilizaram quatro inscritos cada.

Ao menos uma vaga de cada curso deve ser destinada a estudantes com deficiência. Se a quantidade de vagas permitir, o número de cotistas deve ser arredondado para o maior número inteiro seguinte.

RESERVA DE VAGAS – Os candidatos com algum tipo de deficiência devem declarar no ato da inscrição que desejam ingressar pelo sistema de cotas. Quem fizer essa opção concorrerá às vagas destinadas à cota e às universais, como já ocorre com as outras cotas oferecidas pela Universidade. Caso a reserva de 5% não seja preenchida, esse percentual será destinado às vagas universais.

No ato da pré-matrícula, o estudante precisa apresentar um laudo médico que ateste a espécie e o grau da deficiência. Além disso, deve informar número do RG, CPF, identificação do curso pretendido, além da expressa referência, no Código Internacional de Doenças (CID), assim como a provável causa da deficiência.

COMISSÃO – Os aprovados no Vestibular 2022 passarão pela Comissão de Homologação de Vagas, indicada pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) e composta por membros da Pró-Reitoria de Graduação (Progard), do Núcleo de Acessibilidade (NAC), do Conselho Municipal de Direitos da Pessoa com Deficiência, um representante médico e professor do curso de Medicina da UEL e, por fim, um representante discente. No prazo de 10 anos, a política de ingresso será reavaliada pelo Governo do Estado, como já ocorre com outros sistemas de cotas.