Volume de Chuvas no Paraná no mês de março foram abaixo da média

As famosas águas de março, cantadas em verso e prosa, não foram tão fortes assim no Paraná em 2021. Levantamento do Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar) apontou que o mês passado foi caracterizado por chuvas irregulares em todo o Estado, que convive com um decreto de calamidade hídrica desde o ano passado.

Inconstância que volta a chamar a atenção para a necessidade do uso racional da água. Das 11 cidades analisadas pelo Simepar a pedido da Agência Estadual de Notícias (AEN), apenas em três a precipitação foi superior à média histórica, que começou a ser contabilizada em 2011 – a quantidade de chuva em Maringá, no Noroeste, não pôde ser finalizada devido a problemas técnicos. 

No total, a precipitação acumulada nos 11 pontos diferentes do Paraná foi de 1.423 milímetros (mm), ou 91,3% da média histórica, estimada em 1.558 mm no acumulado para essas mesmas áreas.

Em Londrina, na Região Norte, a quantidade de água ficou em 253 mm, 199% a mais do que o esperado (127 mm). Ponta Grossa, nos Campos Gerais, com 159%, e Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), com 136%, aparecem na sequência. Os outros oito municípios, porém, ficaram abaixo da média, com destaque para a estiagem em Pato Branco – choveu apenas 12,5% do esperado na cidade do Sudoeste.

“As chuvas foram bem irregulares. Cidades próximas como Francisco Beltrão e Pato Branco, por exemplo, tiveram índices bem diferentes. Ainda assim, o que se verificou é que a maioria ficou abaixo da média”, afirmou o meteorologista do Simepar, Fernando Mendonça Mendes.  

CAPITAL – Curitiba voltou a ter um desempenho de chuvas inferior à média. Em março, o volume acumulado foi de 107 mm ante uma expectativa de 128 mm (83,5% do esperado). Ainda assim, uma evolução em relação a fevereiro, quando a precipitação ficou em 52,8% da média. 

A expectativa para os próximos três meses, de acordo com o Simepar, é que haja uma diminuição no volume de chuva em relação ao verão. O motivo é o deslocamento das primeiras massas de ar frio e seco. Com isso, o intervalo entre períodos de precipitação se torna maior, ficando associados às passagens de frentes frias pelo Estado.

Os maiores volumes de chuva são esperados para as regiões Sudoeste e Oeste. Já os menores índices devem ser verificados nas cidades do Norte. “Abril, maio e junho apresentam indicativo de que vai chover menos que a média. Por isso é bom ficar com o pé atrás e poupar água”, disse Mendes.

Foto-crédito: Bem Paraná

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *