Voto impresso “seria retrocesso”, afirma o presidente do TSE

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) e presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) Luís Roberto Barroso afirmou que retornar ao voto impresso seria “1 retrocesso”. O magistrado participou nessa 6ª feira (6.nov.2020) do 8º Fórum Liberdade e Democracia, em Vitória (ES).

“As urnas eletrônicas são confiáveis. O problema delas é o custo”, afirmou disse. “Retornar ao voto impresso é 1 retrocesso, é como comprar 1 videocassete.”

O presidente Jair Bolsonaro defende a volta do voto impresso. Durante transmissão ao vivo realizada na última 5ª feira (5.nov), o presidente falou que o Brasil precisa ter “1 sistema eleitoral confiável”. O chefe do Executivo federal afirmou que vai apresentar ao Congresso Nacional proposta para a volta do voto impresso a partir das eleições de 2022.

“Nós temos, sim, já está bastante avançado, o estudo [para propor o voto impresso]. A gente espera, no ano que vem, entrar, mergulhar na Câmara e no Senado, para que a gente possa, realmente, ter 1 sistema eleitoral confiável em 2022″, falou Bolsonaro.

Barroso não citou o nome do presidente, mas afirmou que o Brasil superou a época de fraudes em apurações de votos.

O ministro observou, como convidado, o processo eleitoral dos Estados Unidos, o voto é impresso no país. O ministro não quis comparar os 2 sistemas. “Não tenho a pretensão de ter algo a ensinar”, falou.

Segundo Barroso, o TSE trabalha em 1 projeto para possibilitar “eleições digitais” e, assim, reduzir os custos de cada eleição. “De preferência, utilizando o dispositivo móvel de cada um. Estamos estudando.”

Poder 360

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *