Assembleia Legislativa economiza R$ 500 mil com o fim do uso do papel

Enquanto algumas Assembleias Legislativas pelo país ainda debatem formas de acabar com o uso do papel nos trâmites administrativos e legislativos, isso já é uma realidade no Paraná. Desde 2019, a Assembleia Legislativa utiliza a tecnologia para otimizar a aplicação dos recursos públicos e promover a sustentabilidade. Estima-se que a Assembleia Legislativa do Paraná tenha alcançado uma economia de R$ 500 mil ao abolir o uso do papel nos trâmites administrativo e legislativo.

Em agosto de 2019 foi implantado no Legislativo paranaense o Sistema Eletrônico de Informação (SEI), que permite a gestão eletrônica e simultânea das atividades sem uso de papel, promovendo transparência, agilidade, sustentabilidade e economia de recursos, resultando em menos burocracia e mais celeridade. O sistema foi criado por técnicos do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) e cedido, sem custos, para uso na Assembleia Legislativa.

Inicialmente o SEI foi utilizado nos processos administrativos, ao longo do tempo, principalmente em razão da pandemia da Covid-19, foi implantado também na esfera legislativa.

Com a necessidade crescente de plataformas eletrônicos que permitam a manutenção das atividades mesmo que a distância, um novo sistema foi desenvolvido em uma ação conjunta das Diretorias de Apoio ao Plenário, Legislativa e de Tecnologia da Informação. Em funcionamento desde agosto deste ano, o Sistema Informatizado Legislativo (SILEGS) é utilizado exclusivamente para as funções legislativas. Todo o caminho percorrido por um projeto de lei, por exemplo, acontece dentro do SILEGS. Desde o protocolo inicial, a tramitação entre diretorias e comissões, a emissão de pareceres e até as votações em plenário ficam registradas no sistema.

Além de proporcionar uma gestão mais transparente, econômica e célere, a adoção dos sistemas eletrônicos garante total segurança jurídica em todos os processos internos.

G1 Paraná