Empenho da indústria brasileira com sustentabilidade pode impulsionar acordo Mercosul-UE

O empenho da indústria brasileira em alcançar uma economia de baixo carbono pode impulsionar a assinatura e internalização do Acordo de Associação Birregional entre Mercosul e União Europeia, destacou o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, na abertura do 38º Encontro Econômico Brasil Alemanha (EEBA). Andrade pediu cooperação aos empresários alemães para avançar com a integração dos dois blocos, observando os esforços brasileiros em prol da agenda sustentável.

“Gostaríamos de contar com o apoio dos empresários alemães para afastar os obstáculos e reforçar junto ao Parlamento da Alemanha a importância da internalização do tratado para o fortalecimento da nossa aliança. Especialmente neste momento em que se discute a necessidade de novos compromissos ambientais para combater o aquecimento global é preciso destacar que a indústria brasileira tem iniciativas ambiciosas voltadas à economia de baixo carbono e à sustentabilidade”, afirmou Andrade.

O presidente da CNI destacou que a organização estará presente na Conferência das Partes sobre Mudanças Climáticas (COP26) para discutir transição energética, precificação de carbono, economia circular e conservação florestal. O evento ocorre de 31 de outubro a 12 de novembro, em Glasgow, na Escócia.

Andrade lembrou que o 38º EEBA ocorre em meio ao processo de transição no governo alemão e que na nova coalizão a sustentabilidade deverá ganhar ainda mais relevância nas relações comerciais entre Brasil e Alemanha. “As mudanças de governo e a diplomacia tem historicamente grande influência sobre a política externa dos países. Por essa razão, nossa expectativa é que o pragmatismo e o interesse nacional prevaleçam sobre as ideologias nas relações comerciais entre Brasil e Alemanha para ampliar os ganhos mútuos que vêm sendo alcançados nos últimos anos”, afirmou.